Páginas

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Oficinas Literárias de Francisca do Val e de Marquiano Charan, no Tremembé: outras formas de ver.


Texto de: João B. A. Neto


Sob uma manhã clara, o Ônibus-Biblioteca sai da Mooca em direção ao Tremembé, zona norte da cidade...



Fotos de: Maria de Fátima
Acreditem: no meio do caminho a claridade abre espaço para um emaranhado de nuvens escuras, postes e fios...

No mesmo caminho: carros enfileirados desenham uma imagem, diríamos, caótica...

Quase chegando, prédio solitário tenta alcançar as núvens: uma imagem insólita...

Chegando ao Tremembé, quarta-feira, dia 10, praça Recanto Verde, a imagem, o ver, o enxergar, o sentir, serão assuntos do dia por aqui...

Quem vai tratar desses assuntos? Os dois da foto acima: Marquiano Charan Filho e Francisca do Val. Dois escritores, e seus materiais fan-tás-ti-cos...

Marquiano trouxe na mala novas maneiras de enxergar. E logo se vê rodeado por crianças, cada uma mais curiosa que a outra,  pra ver qual é a novidade...

Francisca do Val, a Tia Chica, trouxe algo mais visivel, que é pra se ver mesmo aquilo que não podemos ver, entenderam? Isto é: um microscópio...

Na foto acima, o menino, cercado por mais três crianças, ao lado de Marquiano, usa lupa para ver melhor as letras e imagens de um livro...

Já Tia Chica, agora, mostra seu livro às meninas que usam seus próprios olhos para conhecerem tal obra...

Marquiano trouxe vendas (tira de pano para tapar olhos), e o menino a colocou pra depois tentar descobrir o que Marquiano havia colocado em suas mãozinhas: uma nova experiência para enxergar através do tato...

Uma mulhuer e seus dois filhinhos experimentam ver mosquinhas, mosquitos da dengue, da malária, entre outros insetos, através de lentes do microscópio: uma oportunidade rara...

Outra cena raríssima: familia experimenta ver de outra maneira, fazendo uso de venda, colocada em um dos filhos. Nesse caso, o tato é o grande aliado da visão...


Enquanto isso, ao lado, Tia Chica faz uso de microscópio para que a menina possa enxergar detalhes curiosos do mundo dos insetos. Outra menina segura um potinho cheio de mosquinhas, quase invisíveis...

E rodeado por duas meninas e por dois meninos, Marquiano tira sons de um instrumento: um exercício para educar os ouvidos,  como outra forma de ver, também...

                                   
Tia Chica, a Francisca do Val, trouxe lupas para que todos pudessem enxergar melhor, o que se pode enxergar a olho nú...


Para quem enxerga, Marquiano trouxe o desafio de tapar os olhos, com a tal venda, e tentar ver as coisas de outro ângulo, quer dizer, no escuro, como se fosse um deficiente visual. É mesmo um grande desafio, além de ser um exercício de inclusão desse tema entre crianças, pais, e comunidade...


O microscópio, trazido por Tia Chica, despertou o interesse em muitos olhos, que puderam ver com mais nitidez...

A venda do faz-de-conta-que-você-não-enxerga, trazida por Marquiano, fez com que crianças, jovens e adultos, experimentassem um novo olhar sobre a visão, e as maneiras diferentes de ver através do tato, da audição. Enfim, de outros sentidos quando não se pode enxergar com os olhos...

O microscópio e as lupas, de Tia Chica, demosntraram-se como grandes aliados de nossa visão, principalmente quando queremos ver melhor ou ver coisas milhares de vezes menores que um fio de cabelo, por exemplo, que estão muito além de nossa capacidade de enxergar. 

Essas duas oficinas, ministradas por Marquiano Charan Filho e por Francisca do Val, foram excepcionais. Num breve espaço de tempo, elas certamente aumentaram o campo de visão daqueles que visitaram o Ônibus-Biblioteca naquela manhã clara, apesar de nuvens escuras tentarem encobrir a região, o que não conseguiram, felizmente...



 
Rodrigo bom de bola e Rodrigo enxerga tudo, dois livros escritos por Marquiano, merecem ser lidos, vistos, tocados, folheados, ouvidos, comidos com os olhos, e degustados com a alma, de tão interessantes que são os assuntos neles tratados...



O simpático Drosófila, a mosquinha famosa, de Francisca do Val, a nossa Tia Chica, traz a história daquela mosquinha caseira que vive sobrevoando as frutas de nossas casas, com muitas curiosidades. Um livro que deve ser colocado à mesa, para que todos conheçam um pouco mais o assunto pesquisado pela escritora , com muita propriedade, uma vez que Tia Chica é também bióloga...

 E nas mesas, para um bom atendimento ao público, estavam os funcionários:

Maria Édina...

Cícero...


Maria de Fátima...



E o grande motorista Marcelo...

Até a próxima parada!!!
                                        
Ônibus-Biblioteca: onde se lê por prazer.





Nenhum comentário:

Postar um comentário