Páginas

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Alice no país das maravilhas, em cordel.

ÔNIBUS-BIBLIOTECA INFORMA:

CLÁSSICO INFANTIL É RECRIADO EM CORDEL

A editora Nova Alexandria lançará, dia 6 de março, na Livraria da Vila da Alameda Lorena, o livro infantil Alice no País das Maravilhas, de João Gomes de Sá, que revisita o universo mágico criado pelo escritor britânico Lewis Carroll. Esta versão em cordel vem enriquecida com ilustrações do conceituado artista plástico Marcos Garuti.



Abaixo trechos da apresentação:

Alice no País das Maravilhas tornou-se, desde o seu lançamento, em 1865, um grande clássico da literatura infantil. Seu autor, o inglês Charles Lutwidge Dodgson, usou o pseudônimo literário Lewis Carroll. Sua obra principal, sucesso imediato e retumbante, chegou às mãos da rainha Vitória, da Inglaterra, que fez questão de conhecer as demais obras do autor. Antes de Alice, Dodgson escrevera apenas tratados de Matemática.

A história, ao longo de mais de um século, foi adaptada várias vezes para o cinema. Virou filme de animação dos Estúdios Disney em 1951. O cineasta Tim Burton dirigiu uma versão excêntrica, que estreou em 2010. A primeira adaptação, no entanto, foi um filme mudo rodado no Reino Unido em 1903.

(...)
Alice em cordel

João Gomes de Sá, um dos mais respeitados cordelistas da atualidade, é o autor da versão em cordel de Alice no País das Maravilhas. O poeta, atento às soluções criativas do texto original, reconstruiu algumas situações, emprestando características nordestinas à protagonista, aos personagens e cenários. O início já dá uma amostra do que vem a seguir: Alice, em perseguição ao Coelho Branco, não cai num poço, mas numa cacimba encantada”. O Gato de Cheshire ou Gato Risonho, mesmo conservando o dom da invisibilidade, é um típico repentista nordestino.

Para compor o personagem, João se inspirou no cantador paraibano Sebastião Marinho. Alice ainda encontra, na estranha terra, maravilhas que remetem ao clássico cordel ‘Viagem a São Saruê’, do poeta paraibano Manoel Camilo dos Santos (1905-1987). A estrofe, reproduzida abaixo, mostra essa fusão:

Por lá viu rios de leite,
Montanhas de goiabada,
Castelos de rapadura,
E árvores de marmelada.
Suspirou muito porque
Somente em São Saruê
Tal riqueza era encontrada.

O Chapeleiro Louco, personagem de grande importância no original de Carroll, tem, aqui, “O mesmo céu estrelado/ Do chapéu de Lampião”.

Na versão do nosso cordelista, os tacos-flamingos e as bolas-ouriços do jogo disputado entre a Alice e a Rainha de Copas se transmutam em seriemas e tatus-bolas, animais da fauna brasileira.




Sou João Gomes de Sá

Natural das Alagoas

Aprendi fazer Cordel

Pra falar de coisas boas

Levando a nossa cultura

Para todas as pessoas



João Gomes de Sá, além de grande Cordelista, é xilógrafo, professor etc. No Ônibus-Biblioteca, ele está entre os escritores que ministram Oficinas Literárias em nossos roteiros, através de convênio com a Liga Brasileira de Editoras - LIBRE.

Conheça um pouco mais sobre esse criativo artista em:

http://fotolog.terra.com.br/jgsacordel
http://www.youtube.com/watch?v=Sqtc3eMyddg
http://cacampb.blogspot.com/

Até a próxima parada!!!
Ônibus-Biblioteca: onde se lê por prazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário